{ reflexão semanal }

Newsletter nº06/2021

Perspectivas Tiradas do Tempo e da Experiência

por Jim Mathis

Celebrar o meu 72º aniversário, há alguns meses, levou-me a fazer uma pausa para reflectir: já vi a Terra a dar 72 voltas ao Sol. Há 72 anos, eu nem sabia por que lado da câmara é que se olhava, nem como segurar numa guitarra, nem andar de bicicleta e nem sequer alimentar-me sozinho. Quando nasci, não conseguia sequer andar nem falar. Desenvolvi todas estas capacidades com muito esforço ao longo dos anos.

Mas o processo não tem fim. Não conseguia segurar numa colher há 72 anos, mas ainda estou a aprender acerca de nutrição e a descobrir novos alimentos e nova culinária. Tive de aprender a guiar a bicicleta até ao fim do passeio, antes que pudesse considerar uma distância de 900 km. A vida implica aprender e crescer.

Muito se tem escrito sobre as mudanças que ocorreram no nosso mundo ao longo das últimas sete décadas. A tecnologia mudou praticamente tudo aquilo em que podemos tocar. Mas, em vez de ficar a pensar nas mudanças, ponderei sobre algumas coisas importantes que não mudaram. Aqui estão algumas das minhas observações:

A integridade ainda conta. Sermos honestos e justos naquilo que fazemos tem sido o alicerce da sociedade ao longo de milhares de anos, desde que os humanos começaram a interagir uns com os outros. Como nos diz Provérbios 10:9: «Quem anda em sinceridade anda seguro; mas o que perverte os seus caminhos será conhecido.»

Somos criaturas comunitárias. Fomos feitos uns para os outros. Quaisquer tentativas de nos isolarmos ou de construirmos muros acabam sempre em desastre. Isto aplica-se a indivíduos, a organizações e a nações. Todos nós temos diferentes experiências, habilidades e personalidades. Todos nós precisamos de trabalhar em conjunto, colocando todos os nossos dons à disposição, para termos uma sociedade próspera e um mundo decente em que possamos viver. «Melhor é serem dois do que um, porque têm melhor paga do seu trabalho […] e o cordão de três dobras não se quebra tão depressa.» (Eclesiastes 4:9-12).

Não podemos ser tudo o que queremos ser, mas podemos ser mais do que pensamos que podemos ser. Há vinte anos, passei algum tempo com o famoso professor de música Jeff Newman. Ele disse-me algo de que nunca mais me esqueci: «“Talento” é a palavra usada pelas pessoas que não querem trabalhar para descreverem aquelas que querem.» As Escrituras afirmam o mesmo da seguinte maneira: «Em todo o trabalho há proveito, mas a palavra dos lábios só encaminha para a pobreza.» (Provérbios 14:23).

Aquilo que somos é determinado por: quem são os nossos amigos, os livros que lemos, as músicas que ouvimos e os programas de televisão que vemos. Não se trata do lugar onde nascemos, nem sequer de capacidades inatas. Tem a ver com a forma de moldarmos a nossa mente. «Quanto ao mais, irmãos, tudo o que é verdadeiro, tudo o que é honesto, tudo o que é justo, tudo o que é puro, tudo o que é amável, tudo o que é de boa fama, se há alguma virtude, e se há algum louvor, nisso pensai.» (Filipenses 4:8).

Podemos fazer uma boa corrida, mesmo começando em último lugar. A cor da nossa pele, a qualidade da escola que frequentámos, e o carácter dos nossos pais são coisas que podem determinar a forma como iniciamos a corrida da vida, mas, numa corrida suficientemente longa e com um bom treino, essas coisas não têm tanta importância no resultado final. As corridas de carros mostram-nos que a pole position nem sempre é o melhor lugar para se começar. «Os pensamentos do diligente tendem à abundância, mas os de todo o apressado tão-somente à pobreza.» (Provérbios 21:5).

Deus quer que vejamos o Seu lindo mundo tanto quanto pudermos. Tenho aprendido que viajar e vivenciar outras culturas é a única coisa que rompe com preconceitos, com a intolerância, com a ignorância e com a estreiteza de mente. Ver o mundo através do olhar de outras pessoas faz uma tremenda diferença. A Bíblia apresenta este excelente conselho: «Nada façais por contenda ou por vanglória, mas por humildade; cada um considere os outros superiores a si mesmo. Não atente cada um para o que é propriamente seu, mas cada qual, também, para o que é dos outros.» (Filipenses 2:3-4).

Partilha esta Reflexão

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on email
“Os pensamentos do diligente tendem à abundância, mas os de todo o apressado tão-somente à pobreza” Provérbios 21:5

Reflexões da Semana é um serviço da ASPEC – Associação de Profissionais e Empresários Cristãos, em colaboração com “CBMC International”. Para mais informações não hesite em contactar-nos.