{ reflexão semanal }

Newsletter nº37 / 2020

E agora, boas notícias!

por Jim Mathis

Quanto a si não sei, mas eu estou sempre pronto para receber boas notícias, especialmente num tempo como este, em que cada notícia que vemos ou ouvimos é desafiadora, desconcertante e até mesmo aterrorizadora.

Uma boa notícia é a de que, de acordo com os relatos, os canais de Veneza, na Itália, estão limpos pela primeira vez em centenas de anos. Diz-se que é possível ver até ao fundo. A qualidade do ar nas grandes cidades tornou-se substancialmente melhor, por causa da diminuição do fluxo de veículos, e a redução de gases de efeito de estufa que daí resultou poderá ser um grande passo no sentido de desacelerar as condições que muitos cientistas atribuem às alterações climáticas. Até há indícios que sugerem que os pássaros estarão a cantar mais alto do que o normal.

É claro que o vírus da COVID-19 continua a assolar muitas partes do mundo, e as taxas de desemprego estão mais altas do que alguma vez vimos. É encorajador sermos assegurados de que estas situações são temporárias e de que podemos criar um «novo normal» para as nossas vidas à medida que o tempo passa.
Tudo isto nos leva a perceber novamente que aquilo em que pensamos — aquilo que ocupa a nossa mente — determina, em grande parte, o que somos, como reagimos e as acções que adoptamos. Por outras palavras, somos aquilo em que pensamos. Os nossos corpos são largamente afectados por aquilo que comemos, mas as nossas vidas são influenciadas por aquilo em que pensamos. É por isso que a Bíblia, em Filipenses 4:8, nos diz para pensarmos em coisas que sejam verdadeiras, honestas, justas, puras, amáveis, de boa fama e, especialmente, tudo aquilo em que haja virtude e louvor.

A pergunta óbvia é: como saber o que é verdadeiro, justo, puro e tudo isso? Há não muitos anos, a maior parte das notícias provinham de fontes que competiam entre si pela exactidão. As agências de notícias iam ao extremo para assegurarem a exactidão das informações que apresentavam. Mesmo nesse tempo ocorriam enganos, mas vinham geralmente de fontes que não eram fiáveis.
Actualmente, muitos de nós recebem informações de fontes que não têm credibilidade ou, pior ainda, que têm uma agenda particularmente tortuosa a promover. Tem sido referido que 70% das informações nas redes sociais são falsas. Isto é ainda mais alarmante quando consideramos que os outros 30% que são verdadeiros incluem o quanto amamos a nossa mãe ou o bom almoço que pudemos tomar. É aqui que entra a nossa necessidade de prudência e atenção. Se alguma coisa parecer estranha, diferir do entendimento geral ou tiver uma agenda óbvia para promover uma causa ou para fazer com que nós compremos alguma coisa, devemos suspeitar dela. As coisas honestas, amáveis ou de boa fama não rebaixam as outras pessoas. As coisas em que haja virtude ou louvor não são negativas nem nocivas.

Os computadores funcionam como foram programados. De igual modo, o nosso pensamento depende da forma como o «programamos» — do conteúdo que permitimos que entre. Como nos diz Provérbios 12:18 diz: «Há alguns cujas palavras são como pontas de espada, mas a língua dos sábios é saúde.» Outra passagem diz: «Uma língua saudável é árvore de vida, mas a perversidade nela quebranta o espírito.» (Provérbios 15:4). O que dizemos — e o que ouvimos — tem um impacto profundo nas nossas vidas.

Aqueles de nós que já estão neste planeta há mais tempo do que a maioria têm uma perspectiva mais abrangente. Por isso, podemos confiar que as coisas vão melhorar. Lembre-se de se firmar no que é verdadeiro, honesto, justo, puro, amável, de boa fama e em que haja virtude e louvor. É a única forma de sobrevivermos e de sairmos mais fortes do que quando entrámos.

Partilha esta Reflexão

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on email
“Há alguns cujas palavras são como pontas de espada, mas a língua dos sábios é saúde” Provérbios 12:18

Reflexões da Semana é um serviço da ASPEC – Associação de Profissionais e Empresários Cristãos, em colaboração com “CBMC International”. Para mais informações não hesite em contactar-nos.