{ reflexão semanal }

Newsletter nº39 / 2020

Diplomado na Escola do Fracasso

por Robert J. Tamasy

Com frequência, vemos algum líder empresarial, executivo ou empresário proeminente a ser descrito como «a grande história de sucesso». Entretemo-nos com os relatos de como eles alcançaram o sucesso, servindo-nos de exemplo de como também nós podemos conseguir grandes proezas se fizermos como eles. Mas já alguma vez ouviu alguém a ser descrito como «a grande história de fracasso»?

Na verdade, o sucesso pode chegar de muitas maneiras, algumas das quais nem sequer dependem de nós. O trabalho árduo, a dedicação e a determinação podem trazer-nos sucesso — mas não para todos. Às vezes, o sucesso resulta meramente da sorte (se for nisso que acredita), ou de se estar no lugar certo à hora certa. Diz-se que o timing é tudo. Algumas pessoas alcançam o sucesso uma vez e depois passam o resto da vida a tentar em vão encontrá-lo novamente.

No entanto, seja por que razão for, quando falhamos é muito mais fácil identificar o motivo. Podemos apontar para: más decisões; falta de vontade de investir a energia e o esforço necessários; falta de planeamento apropriado; falta de perseverança suficiente para alcançar os objetivos; ignorância; e até mesmo estupidez.

Pelo facto de os factores que levam ao fracasso serem muito mais fáceis de reconhecer, as nossas falhas podem abrir caminho ao sucesso se estivermos dispostos a aprender com elas. Foi o estadista britânico Winston Churchill que constatou: «O sucesso não é final, e o fracasso não é fatal; o que conta é a coragem para prosseguir.» O jogador de basquetebol Michael Jordan disse: «Posso aceitar o fracasso. Todos falhamos nalguma coisa. Mas não aceito que não se tente.»

Denis Waitley, orador motivacional, consultor e escritor, apresentou esta perspectiva: «O fracasso devia ser o nosso mestre e não o nosso agente funerário. A falha é um atraso e não uma derrota. É um desvio temporário e não um beco sem saída. O fracasso é algo que só evitamos se não dissermos nada, não fizermos nada e não formos nada.»

Uma das características únicas da Bíblia é a forma directa e crua de apresentar falhas memoráveis de indivíduos importantes, começando por Adão e Eva, mas continuando com pessoas como Noé, Jacob (pai da nação de Israel), Sansão, o rei David, o seu filho Salomão e muitos dos discípulos de Jesus.

O apóstolo Pedro, um dos seguidores mais próximos de Cristo, é talvez o maior exemplo de alguém que alcançou o sucesso apesar de repetidas falhas. Na noite que antecedeu a Sua crucificação, Jesus disse aos Seus discípulos: «Todos vós, esta noite, vos escandalizareis em mim», ao que o impulsivo Pedro respondeu: «Ainda que todos se escandalizem em ti, eu nunca me escandalizarei.» (Mateus 26:31-35).

Apesar do seu juramento ousado e impetuoso, lemos que Pedro realmente negou Cristo, não só uma mas três vezes, tal como o Senhor previra. Depois da terceira negação, está escrito: «E, virando-se o Senhor, olhou para Pedro […] E, saindo Pedro para fora, chorou amargamente.» (Lucas 22:54-62).

Felizmente, a história não acaba aqui. Em João 21:1-19, vemos um relato de Cristo a restaurar Pedro, perdoando-lhe a traição. Três vezes perguntou Jesus a Pedro: «Simão, filho de Jonas, amas-me mais do que estes?» A cada uma delas, o discípulo responde afirmativamente e Jesus diz-lhe: «Apascenta os meus cordeiros […] Apascenta as minhas ovelhas.» Que relato incrível de fracasso — e de perdão! Sabemos que, desde então, Pedro se tornou um dos líderes da Igreja Primitiva, e duas das suas cartas aparecem no Novo Testamento.

Sente-se em luta ou está a recuperar de alguma falha — quer seja vocacional ou espiritual? Lembre-se que o fracasso não é fatal, mas que pode tornar-se um maravilhoso mestre, um mero desvio no caminho para o sucesso.

Partilha esta Reflexão

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on email
“Todos vós, esta noite, vos escandalizareis em mim», ao que o impulsivo Pedro respondeu: «Ainda que todos se escandalizem em ti, eu nunca me escandalizarei.” Mateus 26:31-35

Reflexões da Semana é um serviço da ASPEC – Associação de Profissionais e Empresários Cristãos, em colaboração com “CBMC International”. Para mais informações não hesite em contactar-nos.