{ reflexão semanal }

Newsletter nº33/2022

AS ARMADILHAS DO PERFECCIONISMO

por Robert J. Tamasy

Enquanto estamos envolvidos com o trabalho, com a criação dos filhos, com os nossos passatempos ou com outra actividade, podemos posicionar-nos num de dois extremos sobre a forma como fazemos o que fazemos. Podemos adoptar a mentalidade de «suficientemente bom é… suficientemente bom», e tentar sobreviver com um nível de esforço mínimo, ou perto disso. Ou podemos escolher uma abordagem muito diferente, a do perfeccionismo, fixando-nos na tentativa de fazer as coisas exactamente bem.

Muitos de nós, provavelmente, ficam algures no meio, mas recentemente ouvi falar de um famoso golfista que se apercebeu que a melhor maneira de dominar as suas capacidades era adoptar uma abordagem simples. O falecido Ben Hogan é considerado como um dos maiores golfistas de todos os tempos, competindo desde os anos 30 do século XX até meados dos anos 50. No seu livro, Ben Hogan’s Five Lessons: The Modern Fundamentals of Golf («As Cinco Lições de Ben Hogan: Os Fundamentos Modernos do Golfe») ele explicou um «segredo» para o seu sucesso:

Ele disse: «[…] eu tinha deixado de tentar fazer muitas coisas na perfeição porque se tinha tornado claro na minha mente que este ambicioso excesso de minúcia não era possível nem aconselhável, nem sequer necessário. Tudo o que é realmente necessário para jogar bem golfe é executar adequadamente um número relativamente pequeno de movimentos realmente fundamentais.»

Pense nisto: reconhecendo, tal como Hogan descobriu, que a perfeição não é «nem possível nem aconselhável, nem sequer necessária», podemos libertar-nos de um monte de stress desnecessário. Em vez disso, podemos alcançar o sucesso naquilo que escolhemos fazer decidindo simplesmente «executar adequadamente um número relativamente pequeno de movimentos verdadeiramente fundamentais».

Num sentido mais amplo, este princípio relaciona-se bem com um desejo de sermos, como II Coríntios 5:20 descreve, «os embaixadores de Cristo». Quando nos comprometemos a seguir Jesus Cristo, isso significa representá-lo não só nas nossas casas e igrejas, mas também nas nossas comunidades e, especialmente, onde trabalhamos. Quais são os «relativamente poucos movimentos verdadeiramente fundamentais» necessários para o fazer? Deixe-me sugerir apenas alguns de entre todos os que a Bíblia nos fornece:

Ponha Deus em primeiro lugar. Tipicamente, as pessoas trabalham para si próprias, ou para a sua empresa, ou para os seus clientes. Contudo, nas Escrituras, somos admoestados: «E, tudo quanto fizerdes, fazei-o de todo o coração, como ao Senhor e não aos homens, […] porque a Cristo, o Senhor, servis.» (Colossenses 3:23).

Busque a excelência. Quando percebemos que estamos a servir primeiro a Deus, e depois os nossos clientes, compreendemos que isto requer o nosso melhor. «Nada mau» não é suficientemente bom. «Viste um homem diligente na sua obra? Perante reis será posto; não será posto perante os de baixa sorte.» (Provérbios 22:29).

Trabalhe com integridade. Os negócios são frequentemente realizados com recurso a documentos legalmente vinculativos, mas devemos ser conhecidos como pessoas que se comprometem a fazer o que prometem, mesmo quando não nos é conveniente. «Laço é para o homem dizer precipitadamente: É santo; e, feitos os votos, então, inquirir.» (Provérbios 20:25).

Sirva com humildade. Temos a certeza de nos destacar no local de trabalho quando outras pessoas vêem que estamos dispostos a colocar as suas necessidades à frente até das nossas. «Nada façais por contenda ou por vanglória, mas por humildade; cada um considere os outros superiores a si mesmo. Não atente cada um para o que é propriamente seu, mas cada qual também para o que é dos outros.» (Filipenses 2:3-4).

Partilha esta Reflexão

“E, tudo quanto fizerdes, fazei-o de todo o coração, como ao Senhor e não aos homens, […] porque a Cristo, o Senhor, servis.” Colossenses 3:23

Reflexões da Semana é um serviço da ASPEC – Associação de Profissionais e Empresários Cristãos, em colaboração com “CBMC International”. Para mais informações não hesite em contactar-nos.