{ reflexão semanal }

Newsletter nº28 / 2020

Apenas uma Estrela Numa Enorme Galáxia

por Robert J. Tamasy

Recentemente, a minha esposa e eu vimos um excelente filme: I Still Believe («Eu Ainda Acredito»), baseado na história do músico e compositor Jeremy Camp, e na tragédia que moldou a sua vida de forma dramática. A certa altura, aquela que haveria de se tornar a namorada de Camp está num museu a olhar para uma representação do Universo e diz: «Eu sou apenas uma estrela numa enorme galáxia.»

Aquela observação humilde impressionou-me, especialmente quando Camp respondeu: «Mas algumas estrelas brilham mais do que outras.» Já alguma vez olhou para o céu numa noite sem nuvens para contemplar as estrelas? A olho nu, vemos apenas uma pequena fracção dos milhares de milhões de estrelas que os astrónomos nos dizem que existem no Universo. Sendo assim, que diferença poderá fazer uma estrela? Muita, na verdade.

Se voltarmos para bem perto da nossa casa e considerarmos a estrela a que chamamos Sol, sabemos que, sem ela, a vida na Terra não seria possível. A nós, ela parece-nos uma enorme bola de fogo, muito embora, se comparada a muitas estrelas numa miríade de galáxias, esteja entre as mais pequenas. Contudo, nós, e toda a vida no nosso planeta, dependemos dela para termos calor, iluminação e muitas outras propriedades induzidas pela luz, como a fotossíntese, por exemplo.

Portanto, ser «apenas uma estrela numa enorme galáxia» não significa que não tenhamos importância. Gosto muito daquela história do homem que corria pela praia, recolhendo objectos, um de cada vez, e depois lançando-os para o oceano. Quando um transeunte lhe perguntou o que fazia, o homem respondeu: «Estou a lançar estrelas-do-mar à água, para que não morram.» O transeunte replicou: «Mas existem centenas de estrelas-do-mar na praia! Não vai conseguir salvá-las todas! Que diferença é que está a fazer com isso?» Sem levantar os olhos, o corredor pegou noutra estrela-do-mar, correu para o oceano, lançou-a à água e anunciou: «Fiz a diferença para aquela.»

Vamos ajustar o foco ainda mais, direccionando-o para aquilo que fazemos no mercado de trabalho. Alguns aspiram tornar-se o próximo líder empresarial internacionalmente conhecido, enquanto outros sonham ser aquele que vai mudar o jogo: um inventor, inovador ou visionário. Mesmo que não alcancemos tal estatuto, podemos ainda tornar-nos aquela estrela única que faz a diferença.

Os executivos e supervisores podem servir de professores, treinadores, encorajadores e até mesmo amigos a quaisquer empregados com potencial promissor. Podem tornar-se mentores e partilhar experiências e sabedoria para os ajudar a tomar decisões-chave na carreira e na vida. Todos nós podemos influenciar positivamente os nossos colegas de trabalho de diversas maneiras. «Como o ferro com o ferro se aguça, assim o homem afia o rosto do seu amigo.» (Provérbios 27:17).

Devo muito a várias pessoas que exerceram um forte impacto na minha vida: um professor do 1.º ciclo que disse aos meus pais que eu tinha potencial para ir para a universidade; o instrutor de inglês da minha faculdade que me encorajou a ser escritor; o director de um jornal local que me deu dicas profissionais práticas que muito me ajudaram ao longo da minha carreira enquanto jornalista; o meu primeiro chefe no CBMC, que se dispôs a trabalhar comigo, um «diamante em bruto», para que eu expandisse os meus horizontes enquanto editor de revista e autor.

Pessoas que tenham familiaridade com a Bíblia conhecem o apóstolo Paulo, que escreveu grande parte do Novo Testamento; mas são menos as que conhecem Barnabé, o seu corajoso mentor. Moisés conduziu os israelitas para fora do Egipto, mas foi o seu sucessor, Josué, que os levou à Terra Prometida. O profeta Elias treinou o seu sucessor, Eliseu, para ser um instrumento de Deus na realização de milagres ainda maiores. Se alguma vez achar que é «apenas uma estrela numa enorme galáxia», considere aqueles que pode ajudar a que brilhem mais do que os outros.

Partilha esta Reflexão

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on email
“Servi ao Senhor com Alegria e apresentai-vos a Ele com canto. Sabei que o Senhor é Deus; foi Ele que nos fez e não nós a nós mesmos; somos povo seu e ovelhas do seu pasto.” Salmos 100:2-3

Reflexões da Semana é um serviço da ASPEC – Associação de Profissionais e Empresários Cristãos, em colaboração com “CBMC International”. Para mais informações não hesite em contactar-nos.