Costumas discutir com o teu companheiro/a sobre dinheiro?

Não estás sozinho/a! Quando os casais se defrontam com questões de dinheiro, é normal que surjam alguns desentendimentos. Sabias que o dinheiro é o assunto sobre o qual os casais mais discutem? A seguir à infidelidade, os problemas monetários são a segunda maior causa de divórcio.

Já é sabido que criar e manter um casamento sólido requer algum trabalho, e bastante tempo. Não importa o quanto amas o teu parceiro – fazer convergir os dois estilos de vida, e as perspectivas sobre gestão financeira, é certamente uma aventura (atenção, pode ser uma aventura agradável!).

Aqui ficam alguns erros cometidos pelos casais quanto à sua relação com o dinheiro, e sugestões de como os podes evitar.


1.     Mantêm contas separadas

Alguns casais pensam que manter contas separadas os vai ajudar a evitar discussões sobre gestão financeira. O salário dele vai para uma conta, o dela para a outra, e cada um paga as contas em separado. Sem problema, certo? Isto é a base para problemas financeiros no futuro.

 

Como resolver:

O casamento é uma parceria. Agora são uma unidade. Ambos devem estar juntos na gestão das finanças. Separar o dinheiro e as contas a pagar é um problema que vai levar a mais problemas ao longo da relação. Não mantenham contas separadas. Coloquem o dinheiro numa conta conjunta e olhem para ele como um todo.

 

2.     Não concordam com o estilo de vida um do outro

Imagina que estás perfeitamente à vontade a comprar roupa na loja dos chineses, quando precisas de um trapiche novo. No entanto, a tua cara metade só gosta de roupas designer, mesmo que não estejam em promoção. Se têm um rendimento que não permite estas extravagâncias, vão ter um problema.

 

Como resolver:

O casamento engloba cedências. Se um de vocês tem um gosto por roupa de marca, considerem comprar num shopping outlet, por exemplo. Assim. Vão conseguir vestuário de marca com grandes descontos.

 

A verdade é esta: O vosso estilo de vida precisa de estar alinhado com o valor do vosso rendimento – não com o vosso rendimento de sonho.

Podem querer fazer uma vida digna de um post do Instagram, mas não se deixem consumir por isso. Especialmente quando não há zeros suficientes na conta!

 

3.     Deixam as diferenças de personalidade afetar o relacionamento

Todos temos personalidades diferentes, e os opostos tendem a atrair-se. Há grande probabilidade de um de vocês gostar de cálculos e de trabalhar com números, e o outro ter um espírito mais livre e sem restrições. Um pode estar mais inclinado à poupança, e o outro a gastar.

 

Embora isso possa causar alguns problemas na relação, esse não é o verdadeiro problema. A raíz do problema é quando cada um de vocês negligencia a opinião do outro. Ou quando algum de vocês decide deixar de dar o seu parecer sobre as decisões financeiras a tomar.

 

Como resolver:

Nerds financeiros: Não mantenham os detalhes das finanças apenas para vocês. E parem de ter uma atitude “eu-é-que-sei” que leva ao controlo do vosso cônjuge e das suas opiniões.

Se és o parceiro mais free-spirit, e mais relaxado com o dinheiro, não facilites e dá a tua opinião, mesmo discordando. Tens um voto importante nas decisões financeiras. Encoraja, critica e dá feedback-

 

Estão os dois na mesma equipa! Por isso, mais uma razão para trabalharem os dois no orçamento. Usem os pontos fortes das vossas personalidades para serem uma equipa financeira mais forte e unida.

 

4.     Deixam as diferenças salariais causar divisões

Na maioria dos casais, existe normalmente uma pessoa que tem rendimentos superiores à outra. Raramente os dois estão a ganhar exatamente a mesma quantia. Mas quer a diferença seja de 50€ ou 50,000€ a mais por ano, o mesmo problema pode surgir.

 

Em vez de olhar para o fundo como “o nosso dinheiro”, pode surgir a tentação de olhares para a tua parte e achares que tens mais direito sobre o outro – tudo por causa de mais alguns dígitos no fim do mês. Às vezes o cônjuge que ganha mais pode sentir-se mais tentado a desconsiderar opiniões. Isso é convidar mais problemas financeiros e de relação.

 

Como resolver:

Não é “o teu”, ou “o meu” – é “o nosso!”. Não há motivos para considerar o valor a mais ganho como vantagem sobre ninguém. Estão na mesma equipa! Portem-se como tal.

 

5.     Cometem “traição financeira”

Ser infiel ao teu parceiro nem sempre significa infidelidade no casamento. Às vezes há infidelidade quando não és fiel na visão financeira que ambos delinearam em conjunto – por exemplo, se decides abrir uma conta própria para teres algum dinheiro de reserva. Isso tabética se aplica a algum cartão de crédito pedido sem o conhecimento do outro.

 

Como resolver:

Sê sincero, honesto e aberto sobre qualquer cartão de crédito que tenhas. É altura de abrir o jogo. Depois, tentem reconstruir a confiança financeira perdida. Voltem a comprometer-se com uma visão financeira ajustada e pensada em conjunto. Lembrem-se do porquê de terem definido a mesma. Estão juntos neste desafio!

 

6.     Deixaram as expectativas influenciar a visão

Uma das coisas que se coloca entre os casais e o dinheiro, são as expectativas. A maneira mais fácil de não se sentirem realizados e insatisfeitos um com o outro e com objetivos financeiros é quando se têm as expectativas orientadas de uma maneira, e depois se descobre que as coisas são um bocadinho diferentes.

 

Se sempre pensaste que tinhas de comprar casa depois de casar, podes ficar desiludido quando celebras o teu primeiro aniversário de casamento num apartamento alugado. Não deixes que as expectativas irrealistas abram caminho para discórdia e problemas conjugais.

 

Como resolver:

Não existe nenhuma regra que diga que os casais recém-casados tenham de ter uma casa, começar família, ou ir numa viagem a Paris durante o primeiro ano do seu casamento. Se essas coisas não podem acontecer agora, deixa isso de lado, e pára de te preocupar. Coloca as finanças em ordem agora, para depois tornarem os vossos sonhos realidade.

 

7.     Deixam os filhos tomar o controlo

Os teus filhos pedem o jogo de computador mais recente. Consideras o comportamento deles, e até apetece deixar os miúdos terem este mimo. Mas a tua mulher alerta-te que não está no orçamento. Alerta de discussão! Seja compra de brinquedos, dar uma mesada, ou comprar equipamento desportivo para as crianças – os filhos têm uma maneira de nos fazer repensar sobre as nossas finanças.

 

Como resolver:

Fala sobre isso e faz um plano. Decidam em conjunto o orçamento para as coisas que os vossos filhos precisam. E quanto aquilo que eles querem? Discutam a possibilidade de estabelecer tarefas e uma comissão/mesada pelo trabalho que eles fazem. Isso vai ajudá-los a desenvolverem uma boa ética de trabalho, ao mesmo tempo que os ensina sobre o quão importante é esperar pelo tempo certo para ter as coisas na sua vida!

 

Casais e dinheiro devem ser inseparáveis

O casamento é uma parceria. É a altura de parar de cometer estes erros financeiros e de encontrar um ponto comum. Claro que é difícil não discutir sobre dinheiro, mas podem aprender sobre como falar sobre finanças de uma maneira mais produtiva.

Casaste com o teu parceiro por um motivo. Quer te apercebas ou não, precisas da sua ajuda e capacidades – especialmente aquelas que não tens. Não desconsiderem as opiniões um do outro, e tornem-se na equipa forte que podem ser.

 

Adaptado de Dave Ramsey Blog

https://www.daveramsey.com/blog/the-truth-about-money-and-relationships

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

one × five =